Dados do Censo de Educação Superior apontam a maior alta desde 2008 no Brasil, enquanto graduação presencial tem  queda de 0,4%

 

"/> Dados do Censo de Educação Superior apontam a maior alta desde 2008 no Brasil, enquanto graduação presencial tem  queda de 0,4%

 

"> Número de alunos matriculados em graduações à distância cresce 17,6%
Número de alunos matriculados em graduações à distância cresce 17,6%

 Dados do Censo de Educação Superior apontam a maior alta desde 2008 no Brasil

 

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) divulgou no último dia 20 os números da última pesquisa do Censo de Educação Superior, e revelou que entre 2016 e 2017 a quantidade de estudantes matriculados no ensino superior à distância cresceu 17,6% no Brasil, enquanto graduação presencial teve uma queda de 0,4%. O avanço do ensino à distância (EAD) não tem uma crescente tão significativa desde 2008.

No ano passado, o País contava com em média 1,8 milhão de universitários no EAD, número que representa mais de 20% do total de graduandos. Entre 2007 e 2017, a modalidade de ensino teve um aumento surpreendente de mais de 375%.

O ensino à distância oferece dezenas de vantagens aos estudantes como a flexibilidade de dias e horários, valor mais acessível da mensalidade e a possibilidade de estudar de qualquer local. A forma flexível de ensino atrai, principalmente, as pessoas que têm a agenda sobrecarregada e não podem firmar compromissos com dias e horários. A possibilidade de assistir aulas em lugares alternativos também é um benefício para esse público que normalmente perderia muito tempo se deslocando até as salas de aula.

Os custos da modalidade EAD também são um diferencial, os cursos costumam ter valores muito inferiores aos presenciais e acabam atraindo também alunos que não têm condições de arcarem com taxas altas para estudar. Entre os alunos que iniciaram a graduação no último ano, cerca de três em cada dez foram matriculados para o ensino à distância. Um aumento percentual de 27,3% entre os anos de 2016 e 2017.

Os cursos superiores mais procurados continuam sendo os de bacharelado com 60,1%. Em segunda posição vêm os cursos de licenciatura com 20,1% e em terceiro lugar aparecem os cursos tecnólogos representando 19,1% das opções.